16 dezembro 2014

O uso da batina

09 dezembro 2014

Pensamento sobre o sacerdócio

A segunda leitura da Missa deste XXX Domingo Comum do Ano B (Hb 5,1-6) inspirou-me algumas meditações sobre o sacerdócio. Gostaria de partilhá-las com você, meu paciente leitor.

O nosso único Sacerdote é Cristo Jesus. Ele, fazendo-se homem, tornou-se nosso Pontífice (nossa ponte) e Mediador. Como Deus e homem verdadeiro, ele é a ligação entre o Pai e a humanidade. Portanto, é a partir do Sacerdote perfeito e único do Novo Testamento que temos de compreender tanto o sacerdócio do Antigo quanto aquele sacerdócio ministerial presente na Igreja desde as suas origens. 

Antes de entrar na meditação do texto de Hebreus gostaria de recordar-lhe uma coisa: no Antigo Testamento Israel é um povo todo sacerdotal. No meio das nações e em nome de todas as nações, o povo santo de Deus deveria viver uma vida prática e cultual que fosse um verdadeiro sacrifício de louvor a Deus em benefício de todos os povos da terra (cf. Ex 19,5-6; Is 43,20-21). Desde o início era esta a bênção e a missão de Israel, povo vindo de Abraão: “Por ti todos os clãs da terra serão abençoados” (Gn 12,3). Por isso Deus afirma tantas vezes ao povo: Sois uma nação santa, sois um povo consagrado a mim, eu só a vós escolhi dentre todos os povos, sois um reino de sacerdotes. No entanto, no meio deste povo todo sacerdotal havia uma tribo (de Levi) e, nesta tribo, um clã (de Aarão) especialmente responsáveis pelo culto. Pelo ministério da tribo de Levi e do clã de Aarão o povo sacerdotal podia exercitar de fato o seu sacerdócio. Assim, o sacerdócio dos levitas e dos descendentes de Aarão em nada se opunha ao sacerdócio do povo de Israel: um estava em função do outro. 

08 outubro 2014

Novo bispo

O papa Francisco nomeou hoje, 8 de outubro, padre Levi Bonatto como bispo auxiliar da arquidiocese de Goiânia (GO). Atualmente, padre Levi é capelão do Centro Cultural Marumbi, em Curitiba (PR).

Natural de São José dos Pinhais (PR), padre Levi nasceu em 5 de dezembro de 1957. Formou-se em Economia pela Universidade Federal do Paraná e doutorou-se em Direito Canônico pela Pontifícia Universidade Santa Cruz de Roma. Foi professor adjunto do setor de Direito Canônico e do setor de Línguas no Studium Generale do Brasil da prelazia do Opus Dei. Durante nove anos foi capelão do Centro Cultural Esplanada e Alfa em São José dos Campos.

Além de capelão do Centro Cultural Marumbi, padre Levi exerce atividades pastorais voltadas à família e coordena a Sociedade Sacerdotal da Santa Cruz no Paraná.

28 maio 2014

Novo Arcebispo

O papa Francisco nomeou hoje, 28, dom José Luiz Majella Delgado, como arcebispo de Pouso Alegre (MG), transferindo-o da diocese de Jataí (GO). A diocese estava vacante após renúncia de dom Ricardo Pedro Chaves Pinto Filho, acolhida pelo papa Francisco, conforme prevê o Código do Direito Canônico.

Dom José Luiz Majella Delgado é natural de Juiz de Fora (MG), nascido em 19 de outubro de 1959. Membro da Congregação do Santíssimo Redentor, recebeu a ordenação sacerdotal em 14 de março de 1981. Foi nomeado bispo pelo papa emérito Bento XVI, em 16 de dezembro de 2009, sendo ordenado no dia 27 de fevereiro de 2010. Seu lema episcopal é “Servir por amor”.

Formação
O novo arcebispo de Pouso Alegre (MG) é formado em Filosofia pela Faculdade Salesiana de Lorena (SP) e Teologia pelo Instituto Teológico de São Paulo (ITESP), com licenciatura em Estudos Sociais. Possui especialização em Teologia Litúrgica e em Espiritualidade Redentorista pela Academia Alfonsiana de Roma (Itália).

Trajetória
Atualmente dom Luiz Majella estava como presidente do regional Centro-Oeste da CNBB. Sua caminhada episcopal é marcada pela atuação em atividades pastorais e de formação. Exerceu diferentes funções no ensino, em institutos e conselhos. Foi secretário da Organização dos Seminários e Institutos do Brasil (OSIB) no regional Leste 2, secretário da Associação dos Liturgistas do Brasil e prefeito do Santuário Nacional de Aparecida. Em 2007, esteve como secretário executivo para a V Conferência dos Bispos da América Latina e Caribe (CELAM), em Aparecida (SP). Na CNBB, ocupou a função de subsecretário adjunto geral de 2007 a 2009.

Fonte: CNBB

12 abril 2014

O pagamento do dízimo


Nós somos obrigados a pagar o dízimo?


Os católicos são obrigados a pagar o dízimo, no sentido estrito do termo? Ou seja, devem dar 10% de seus rendimentos à Igreja? Essa pergunta se faz necessária porque é cada vez mais frequente ouvir, dentro da Igreja, um eco da pregação protestante, segundo a qual a determinação do Antigo Testamento de pôr à parte "o dízimo de todo fruto de tuas semeaduras, de tudo o que teu campo produzir cada ano" [1], deveria ser seguida ao pé da letra.

Para responder adequadamente a esta questão, é importante distinguir três leis: a lei natural, a lei da Igreja e a lei da caridade.

Com relação à primeira, Santo Tomás de Aquino diz que existe um fundamento natural para que o povo sustente os seus ministros. Diz ele: "Que o povo deve sustentar o os ministros do culto é determinação da razão natural, como também recebem do povo salário para seu sustento aqueles que servem o bem comum: os governantes, os militares, e outros" [2]. E ainda: "O preceito da paga dos dízimos, quanto ao seu aspecto moral, foi dado pelo Senhor e está no Evangelho de Mateus: 'Digno é o operário do seu salário'" [3].

No entanto, na história da Igreja, esse direito já foi contestado. Os movimentos protestantes anteriores à Reforma, por exemplo, contestavam o dízimo como direito natural. Não à toa a Igreja exigia dos valdenses, a quem ela acolheu no século XIII, após muito tempo de divisão, que confessassem o seguinte: "Cremos que se deve doar aos clérigos sob as ordens do Senhor o dízimo, as primícias e as oblações" [4]. Na mesma linha, um dos erros de John Wycliffe condenados pelo Concílio de Constança dizia: "Os dízimos são também esmolas, portanto os paroquianos podem negá-los a seu juízo em razão dos pecados de seus prelados" [5]. Ou seja, os pecados dos bispos ou dos sacerdotes não cancelam o dever de justiça que os fiéis têm de sustentar as suas necessidades.